sexta-feira, 13 de abril de 2018

RESENHA: SEMPRE HAVERÁ VOCÊ




SEMPRE HAVERÁ VOCÊ

Sinopse: A mãe do George e do Theo é genial. Ela conta histórias incríveis, acena mais rápido do que qualquer pessoa do planeta e, o mais importante, foi ela que sugeriu que eles adotassem um cachorro porcalhão chamado Goffo. Os meninos acham que ela é invencível. Mas eles estão errados. Porque a mamãe está doente. E cabe ao George e ao Theo fazer a mamãe continuar sorrindo. O que, muito provavelmente, vai envolver galochas, tortas de carne e a participação do Goffo no Concurso de Talento Animal... Agora que a mamãe ficou doente, está cada vez mais difícil sorrir e inventar versos com o Theo. Sempre haverá você conta sobre uma família diferente da sua, mas um pouquinho parecida. E de um menino que está aprendendo algumas coisas. Você quer ser amigo dele?

#resenhalivroterapia | Sempre Haverá Você | @novo_conceito |

George um garotinho de apenas dez anos, tem uma vida bem simples. Tem um irmãozinho mais novo o Théo  e uma família feliz.  E pra completar essa felicidade vai chegar um cachorrinho muito especial Goffo que adora orelha de porco, seu petisco favorito e  solta muitos puns fedidos.

O melhor amigo de George é o Dermo, são amigos inseparáveis, eles tem um juramento muito fofo,  eles prometem não contar um segredo, “promessa cumprida” dita com voz de robô.


Ama sua mãe fortemente, adora a brincadeira que ela fazem o “jogo de visitas”.
Tudo estava indo muito bem, até que sua mãe começa a sentir fortes dores na cabeça. E com isso os avós de George, foram passar alguns dias com eles. Para ajudar no que fosse necessário, já que sua mãe tem passado muito tempo em hospitais fazendo diversos exames.
“E então eu penso no Theo.
Porque eu acho que ele também não sabe sobre a mamãe.”

A irmã da sua mãe e a prima passaram a frequentar mais a casa deles, ajudando no que fosse possível, tudo estava diferente, sua mamãe já não conseguia estar junto deles o tempo todo. Mas George não conseguia entender, na verdade ele não sabia da gravidade da doença.


"Quando eu esqueço os pensamentos ruins, posso fingir que está tudo bem."

George, narra o seu dia a dia de forma simples, com uma sensibilidade escrevendo em seu diário. Ele destaca seus sentimentos por meio de palavras em negrito e em tamanho reduzido, tudo o que ele gosta e o que não lhe agrada ele anota em seu diário. Aqui ele nos conta o bullying que sofre pelo menino  Carl, que ele obviamente não gosta.

“Odiei o que aconteceu no parquinho.
A mamãe e o papai dizem que é errado brigar.”

A história narrada pelos olhos de uma criança, é de uma tamanha sensibilidade, você passara por muitos estágios de emoções, você ira rir, chorar, se descabelar, sentira uma necessidade de acarinhar o George e leva-lo pra casa.


Sempre Haverá Você é um o meu livro favorito do ano... eu li ele em um  dia. A capa esta maravilhosa, diagramação perfeita. Os capítulos são curtos e são abertos com um aviso na lousa, eu amei.... Só peço uma coisa leiam esse livro. Quantas coisas você aprenderá com uma criança. Ensinamentos pra vida!

Beijos Carinhosos,
Dani S2





quarta-feira, 11 de abril de 2018

A LUA DE MEL



A LUA DE MEL

Ao se dar conta de que o namorado nunca vai pedir sua mão em casamento, Lottie toma uma decisão. Termina o compromisso com ele e diz o tão sonhado sim a Ben, uma antiga paixão, com quem ela havia prometido se casar se ambos ainda estivessem solteiros aos 30 anos. Os dois então resolvem pular o namoro e ir direto para uma cerimônia simples e seguir para a lua de mel em Ikonos, a ilha grega onde eles se conheceram. Mas Fliss, a irmã mais velha da noiva, acha que Lottie enlouqueceu. Já Lorcan, que trabalha na empresa de Ben, teme que o casamento destrua a carreira do amigo. Fliss e Lorcan então elaboram um plano para sabotar a noite de núpcias do casal e impedir que os noivos cometam o maior erro de suas vidas. 

“Comprei um anel de noivado pra ele. (…) Homens não se dão muito bem com pedidos de casamento. Eles precisam planejar o momento, precisam se apoiar em um joelho, precisam fazer a pergunta, e precisam comprar um anel. E o que temos que fazer? Dizer “sim”.

Lua de mel, é narrado por dois pontos de vista Lottie e Fliss,  são duas irmãs e ambas estão sofrendo por amor. Fliss foi casada e tem um filho, com todo  esse sofrimento da separação ela se torna um pouco amarga e Lottie sonha em se casar.

A juventude ainda está onde você a deixou e é lá que deve ficar. Qualquer coisa que valha a pena ser levada na jornada da vida, já estará com você.

Lottie, já namora a muito tempo com Richard e seu sonho é casar. Com o sonho de se casar na igreja, ela toma a decisão de pedir a mão de Richard em casamento. Só que o seu plano vai por água abaixo. Todas as vezes que algo da errado em sua vida, Lottie toma algumas decisões que por vezes a fizeram sofrer mais que um simples rompimento.
“(…) Acontece todas as vezes. Na forma de um gesto impulsivo, absurdo e completamente imbecil (…). Uma tatuagem no tornozelo; um corte de cabelo radical; um apartamento caro demais em Borough que depois precisou ser vendido, com prejuízo financeiro. Participação em uma seita. Um piercing “íntimo” que infeccionou. Esse foi o pior. Não, mudei de ideia, a seita foi pior.”




Ela não recebe esse não da melhor maneira possível, e como na vida nada é por acaso, ela acaba se encontrando com Ben, um antigo namorado de quinze anos atrás. E pra ser tudo lindo e maravilhoso Ben, irá pedir ela em casamento logo no primeiro jantar.
“Você desejaria o inferno que é o divórcio para alguém que você ama? Ou você tentaria impedir?”


Ben e Lottie se conheceram na Grécia e  fizeram um acordo, que quando eles estivessem com trinta anos e sem se casarem, eles se encontrariam e casariam.
Quando Fliss fica sabendo que Lottie ira se casar, ela acha que é com Richard. Mas depois ela acaba descobrindo que ela irá se casar com outro cara, que ela nem sabe o nome, ela pira. Ela não quer que a irmã passe por todo o sofrimento que o amor pode causar, digo o fim de um relacionamento.

 “Estou fazendo a coisa certa, lembro a mim mesma com determinação. O que é melhor: frustrada e aborrecida por uma noite ou casada, grávida e arrependida pro resto da vida?”

Ben, é dono de uma grande empresa, e quando o seu assessor e melhor amigo Lorcan, fica sabendo desse casamento, ele teme que vá atrapalhar os negocio de Ben, já que seu pai esta com os dias contados.
Ela vai para a lua de mel junto com eles, e faz de tudo para atrapalhar a lua de Mel do casal.

— Lottie e Ben. Eles já colocaram a salsicha no pãozinho?
— Brioche — diz Richard.
— Bolinho — corrige Lorcan.

Fliss, é uma mulher muito hilária, dei muitas risadas. Ela faz coisas absurdas para impedir a consumação do casamento. E ai que começa ficar muito engraçado, não é o meu favorito, mas lhe garanto que você dará muitas risadas.

Beijos Carinhosos,

Dani S2


domingo, 8 de abril de 2018

RESENHA: O ASSASSINO O ZODÍACO




O ASSASSINO DO ZODÍACO



Sinopse: Uma série de assassinatos de brutalidade incomum tem por vitimas pessoas de classes sociais muito diferentes. Numa sociedade corrupta e violenta, dividida pelos signos do Zodíaco, as desigualdades entre as pessoas vêm do berço e continuam por toda a vida. Assassinatos passam a ocorrer com brutalidade incomum, e as vítimas parecem não ter nada em comum. Seriam esses crimes uma rebelião contra o sistema ou obra de um serial killer? Para encontrar uma resposta, o detetive Jerome Burton se junta à astróloga forense Lindi Childs. Juntos eles percorrem uma trajetória sombria para tentar desvendar uma história tenebrosa de traição, amores perdidos, promessas quebradas e uma verdade devastadora capaz de abalar o mundo em que vivem...
.                                                                                    
                                

#resenhalivroterapia | O Assassino do Zodíaco | @grupoeditorialpensamento |
Nesta distopia policial, vocês vão conhecer um mundo onde as pessoas estão marcadas pelo dia do nascimento, são divididas por signos, separados por status social.

Esse mundo totalmente regido pelo zodíaco, aqui vemos um exagero de preconceitos, desigualdade principalmente por aqueles que vivem em Ariesville

O destino e determinado pelos astros. E o signo mais citado aqui é Áries, eles são  mal caráter, violentos, marginais e criminosos.( que eu super descordo!!!)   Os signos não se misturam, cada um tem seu lugar. Estudar e trabalhar junto, isso esta fora de questão.

E os Capricornianos são uns dos melhores de todo o zodíaco.

Logo de inicio nos deparamos com um assassinato, somente uma testemunha, Rachel pela qual encontra-se desaparecida.  E no decorrer do livro teremos, outros assassinatos. E  vamos entender os motivos daqueles assassinatos, tudo vai se encaixando e a cada pagina lida, você já saberá  quem estará por trás deles.

E não haveria policial melhor para desvendar esse assassinato  o detetive Jerome Burton e contra a vontade dele teremos o apoio da  astróloga  forense Lindiwe Childs, que tentara ajudar ele nas investigações através dos estudos dos astros.

E quem pensou  que no mundo astrológico não existe corrupção, se enganou. Aqui  ninguém se preocupa com o detetive, é claro esta nítido que a corporação é tão corrupta, como nos dias de hoje.


“O Assassino do Zodíaco” é o livro de estreia de Sam Wilson, conseguiu me prender do inicio ao fim. Eu li esse livro em dois dias, aproveitei a maratona de páscoa pra devorar.  Em certos  momentos fiquei muito curiosa, e fui avançando cada vez mais rápido pra desvendar logo esse  mistério. A diagramação esta ótima, o livro tem 464 páginas, dividido em 90 capítulos curtos, que achei ótimo. No inicio assusta um pouco. rsrs.   A capa é  muito bonita, e as folhas amareladas deixam o livro mais fácil de ler.

O único ponto negativo na trama toda, foi que logo de cara consegui desvendar quem seria o assassino,  porém o porque dos assassinatos demorou um pouco. Acredito que para quem é fã de thrillers, logo de cara irão perceber alguns pontos mal explicado. Mas por ser um livro de estreia está ótimo.

“A verdade está escrita nas estrelas ou escondida nas sombras.”

Beijos Carinhosos,

Dani S2 



terça-feira, 27 de março de 2018

RESENHA: O ROUXINOL

               
                                         
                                                                    O ROUXINOL

  Sinopse: França, 1939: No pequeno vilarejo de Carriveau, Vianne Mauriac se despede do marido, que ruma para o fronte. Ela não acredita que os nazistas invadirão o país, mas logo chegam hordas de soldados em marcha, caravanas de caminhões e tanques, aviões que escurecem os céus e despejam bombas sobre inocentes. Quando o país é tomado, um oficial das tropas de Hitler requisita a casa de Vianne, e ela e a filha são forçadas a conviver com o inimigo ou perder tudo. De repente, todos os seus movimentos passam a ser vigiados e Vianne é obrigada a fazer escolhas impossíveis, uma após a outra, e colaborar com os invasores para manter sua família viva. Isabelle, irmã de Vianne, é uma garota contestadora que leva a vida com o furor e a paixão típicos da juventude. Enquanto milhares de parisienses fogem dos terrores da guerra, ela se apaixona por um guerrilheiro e decide se juntar à Resistência, arriscando a vida para salvar os outros e libertar seu país. Seguindo a trajetória dessas duas grandes mulheres e revelando um lado esquecido da História, O Rouxinol é uma narrativa sensível que celebra o espírito humano e a força das mulheres que travaram batalhas diárias longe do fronte. Separadas pelas circunstâncias, divergentes em seus ideais e distanciadas por suas experiências, as duas irmãs têm um tortuoso destino em comum: proteger aqueles que amam em meio à devastação da guerra – e talvez pagar um preço inimaginável por seus atos de heroísmo.


Aqui temos Vianne típica dona de casa francesa e sua irmã mais nova Isabelle que mora no internato. Quando a guerra começa o marido de Vianne foi chamado e deixou ela e sua pequena filha em casa.



"Nós temos sorte de termos nos encontrado - disse Isabelle.
Não temos sorte nenhuma, Isabelle. Acredite em mim."

E Isabelle por mais uma vez foi expulsa do internato, e vai morar em Paris com seu pai.  Só que quando a guerra estourou mesmo,  seu pai manda ela ir morar com sua irmã mais velha Vianne no interior da Franca. E pra piorar a situação um soldado  alemão acaba aquartelado na casa delas.

“Um pássaro canta. Um rouxinol. Ela ouve o trinado da triste melodia. Os rouxinóis simbolizam as perdas, não é? Um amor que vai embora, que não perdura ou nunca existiu.”



Isabelle é uma garota nada comum,  rebelde ninguém coloca rédeas nela. E ela acaba se juntando a resistência francesa contra Hitler. Arrisca a própria vida para salvar os aliados do lado inimigo. Que menina forte e destemida.

“Eles não conseguiram atingir a minha alma. Não conseguiram mudar o meu ser. O meu corpo... despedaçaram-no nos primeiros dias, mas não a minha alma, V. Seja o que for que ele te fez, foi ao teu corpo, e teu corpo vai sarar”.

As irmãs vivem um problema familiar, elas nunca foram tão próximas, principalmente quando sua mãe morreu  e seu pai teve depressão tornou se um alcoólatra  e acaba se afastando cada vez mais das sua filhas.


“Se há uma coisa que aprendi nesta minha longa vida foi seguinte: no amor, nós descobrimos quem desejamos ser; na guerra, descobrimos quem somos.”




Pensa num livro sensacional, ambientado na guerra, extremamente emocionante me fez chorar rios e mais rios. Você simplesmente precisar ler esse livro. A escrita da autora como sempre é maravilhosa.  Não deixa a desejar nunca... sou fã número um dela,  você não consegue parar de ler, e quer avançar o mais rápido possível. Sem falar nos personagens são lindos cada um a sua maneira, fora a luta que cada um desses personagens travam consigo mesmo e com os outros o medo, por vezes parecia que eu estava vivendo aquele momento. Eu queria de qualquer forma, ajuda-las.
Sem contar que essa capa é muito mais que maravilhosa, esse rouxinol na capa tem um significado lindo.  Mas pra descobrir o significado você terá que ler.

"- Os homens contam histórias - respondo. É a resposta mais simples para a pergunta dele. - As mulheres seguem em frente com essas histórias. Para nós foi uma guerra nas sombras. Ninguém organizou desfiles para nós quando a guerra acabou, não nos deram medalhas nem nos mencionaram nos livros de história. Fizemos o que precisávamos fazer durante a guerra, e quando tudo acabou nós recolhemos os cacos para começar a vida de novo."
#euleioarqueiro
Beijos Carinhosos,
Dani S2



RESENHA: ANTES QUE EU ME ESQUEÇA


Antes que eu me esqueça


Sinopse:  Quando tinha apenas 46 anos de idade, Christine Bryden – bioquímica, consultora do primeiro-ministro australiano na área de ciências e mãe de três filhas – foi diagnosticada com demência de início precoce, disfunção mental que abrange uma gama de doenças, entre elas o Alzheimer. Os médicos lhe disseram para deixar sua vida em ordem, pois, em breve, ela não conseguiria mais fazer isso. Vinte anos depois, ela ainda trabalha com afinco para reconectar seu cérebro – que já foi seu grande trunfo e hoje é seu grande desafio –, mesmo quando ele perde a sua função. De forma corajosa e inspiradora, Christine relata suas sensações e desafios diários, deixando um legado para as pessoas que sofrem de Alzheimer e para aqueles que se preocupam com elas.

“Todo erro que cometo, sei que as pessoas atribuem à minha doença, assim como elas costumavam atribuir qualquer erro que eu cometesse ao fato de eu ser mulher, portanto, não posso me dar ao luxo de cometer nenhum erro.”


Antes que eu me esqueça é uma autobiografia de Christine Bryden, aqui ela nos conta minuciosamente, todos os detalhes da sua vida, e como reagiu à notícia da demência.
Algumas partes até repetitiva, acredito que conforme o livro avança, e a doença também, ela vai perdendo um pouco da capacidade cognitiva. Uma garotinha linda, cresceu em um lar cheio de amor, sua mãe uma mulher muito competitiva, estimulou a filha em muitas atividades de raciocino e jogos de memória. Eram preciosos o tempo que elas passavam juntas. As sextas feiras, era o dia preferido delas, pois passeavam na biblioteca.
Ela estudou nas melhores escolas, não era muito boa em fazer amizades e na sua adolescência ela desenvolveu um quadro de anorexia e depressão.
Christine, estudou fora, começou a trabalhar, casou se com Jack, teve três filhas. Só que ela não esperava, era viver em um relacionamento abusivo, e nem descobrir que aos 46 anos tivesse Alzheimer.


“Somos seres temporários neste planeta, que viemos ao mundo na forma terrena, percorremos os caminhos da vida numa teia dinâmica de relacionamentos e desaparecemos com a morte.”


Imaginem você ser uma pessoa de grande influência, dedicando sua vida inteira ao trabalho e descobrir uma doença incurável?
Esse relato foi tão comovente, que eu chorei muito, essa leitura me fez ver a vida com outros olhos. E que sim, tudo na vida pode ter um recomeço. Pensei muito na quantidade de obstáculos que o paciente e família enfrentam tentando lidar com a doença a medida que ela progride.


Ela nos conta ainda que usou muitas estratégias para driblar a demência e tem duas que eu achei muito importante foi a terapia com o seu animal de estimação e também com a ajuda de seu esposo, eles recapitulavam o que acontecia ao longo do dia. Que mulher forte e corajosa, criou um grupo de apoio, mesmo com sua doença avançando a cada dia.
Esse foi um dos livros mais pesado e enriquecedor que eu li, mesmo com toda carga dramática, eu adorei é super indico. Preparem os lencinhos vocês irão se comover.
Lançamento de Fevereiro da Editora Pensamento, a capa reflete bem a história, a diagramação esta perfeita, adoro quando tem as folhas amareladas.


Beijos Carinhosos,


Dani S2

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

RESENHA: A FÚRIA E A AURORA

A FÚRIA E  A AURORA

Sinopse: Personagem central da história, a jovem Sherazade se candidata ao posto de noiva de Khalid Ibn Al-Rashid, o rei de Khorasan, de 18 anos de idade, considerado um monstro pelos moradores da cidade por ele governada. Casando-se todos os dias com uma mulher diferente, o califa degola as eleitas a cada amanhecer. Depois de uma fila de garotas assassinadas no castelo, e inúmeras famílias desoladas, Sherazade perde uma de suas melhores amigas, Shiva, uma das vítimas fatais de Khalid. Em nome da forte amizade entre ambas, Sherazade planeja uma vingança para colocar fim às atrocidades do atual reinado. Noite após noite, Sherazade seduz o rei, tecendo histórias que encantam e que garantem sua sobrevivência, embora saiba que cada aurora pode ser a sua última. De maneira inesperada, no entanto, passa a enxergar outras situações e realidades nas quais vive um rei com um coração atormentado. Apaixonada, a heroína da história entra em conflito ao encarar seu próprio arrebatamento como uma traição imperdoável à amiga. Apesar de não ter perdido a coragem de fazer justiça, de tirar a vida de Khalid em honra às mulheres mortas, Sherazade empreende a missão de desvendar os segredos escondidos nos imensos corredores do palácio de mármore e pedra e em cenários mágicos em meio ao deserto.

"Algumas coisas existem em nossas vidas por apenas um breve momento. E nós precisamos deixá-las  ir para iluminar outro céu."

 O rei de Khorasan Khalid,  ele é muito jovem e se casa repetidamente com jovem e as matas quando a aurora chega. Dentro dessas meninas que ele  matou, esta a Shiva a melhor amiga de Sherazade. Tentando vingança ela se candidata para ser a próxima noiva. Quando eles se casam ele aparece na noite de núpcias e acabam “namorando”.  Depois desse momento love, ela acaba contando uma historia pra ele, muito esperta Sherazade conta lentamente a historia, e quando a aurora chega, ela não termina a historia. E ela acaba pedindo para ele mais um dia pra poder terminar essa historia. Ele acaba dizendo para ela que nunca ninguém sobreviveu a uma aurora, por algum motivo ele deixa ela viver  mais um dia, para seguir contando o resto da história.  E com isso ela tenta descobrir, mais um pouco sobre o Califa.

"Uma centena de vidas por aquela que você tirou. Uma vida a cada aurora. Se você falhar uma única vez, eu lhe arrancarei seus sonhos. Vou tirar sua cidade de você. E lhe subtrairei essas vidas, milhares de vezes."

Kalid, viu alguma coisa em Sherazade, além da historia que ela estava contando que a manteve viva. Criando uma relação entre os dois. E com isso o reino começara entrar em conflito, pois quem sabe da profecia do porque ele faz essas coisas, vão querer matar Sherazade.  E quem não sabe dessa profecia, irão começar enxergar  o rei com outros olhos, principalmente porque ela é a primeira a sobreviver, depois de muitas mortes.


"Quando você encontra aquele que a faz sorrir como nunca sorriu antes, chorar como nunca chorou antes... não há nada a fazer senão se render."

E com os passar dos dias, ela começa ver, que ele não é aquele mostro, que todos acham.

"E ele sorriu um sorriso de envergonhar o sol."

Tariq é apaixonado por Sherazade, e quando ele descobre que ela se voluntariou, foi tomado por um ódio. E com isso planeja entrar no reino e matar o rei. Com isso busca aliados em meio aos reinos vizinhos, sultões e califas tudo isso para destruir o reino de Khorasam.

"Levante-se, Sherazade al-Khayzuran. Você não se curva diante de ninguém."

Quando eu crescer quero ser igual Sherazade, uma menina, forte, destemida e  um pouco, só um pouquinho  teimosa, astuta e incrivelmente corajosa. Ela  tem uma  personalidade muito forte  e não acata ordem de ninguém. .. eu delirando.rs rs rs

"Você é uma força a ser temida quando defende o que é seu."

Gente essa fantasia me surpreendeu, uma das histórias mais cativantes que já li, uma obra fantástica, Um reconto do clássico As mil e Uma Noites, é uma fantasia que sobressai o romance. Ambientada em meio ao desejo de vingança, a crise política e a ganância pelo poder. 

Beijos Carinhosos,
Dani S2